A problemática do lixo e o consumo consciente

Por: Maria Alice Oieno de Oliveira*

A cidade de São Paulo gera cerca de 14 mil toneladas de lixo por dia e não há mais lugar no próprio município para guardar esse material. Logo, esse lixo deverá ser depositado em algum município vizinho. Os custos desse espaço serão pagos, é claro, pelo contribuinte.

Se considerarmos que mais da metade do lixo brasileiro é composta de restos de alimentos, na cidade de São Paulo isso equivaleria a cerca de sete toneladas a cada dia. Quantas pessoas ficam sem comer por vários dias nesta cidade? O professor Aziz Ab'Saber comentou, em conferência recente, que no Brasil, antes de discutir a questão do cultivo de alimentos transgênicos como solução para a fome, seria mais pertinente discutir a distribuição dos alimentos, pois ela se mostra mais problemática do que a falta deles.

No modelo de sociedade que hoje praticamos há uma corrida desigual em busca da produção e do consumo, que abriga muitos descuidos. Um desses imperdoáveis descuidos se refere à negligência de alguns valores humanos elementares, como no exemplo da distribuição de alimentos.
Há mais de uma década têm estado presentes nos meios de comunicação, em publicações e programas diversos, as possibilidades e benesses da reciclagem de lixo. Já houve uma infinidade de tentativas e modelos de implementar esse tipo de ação, apontada como a grande solução para reduzir o volume absurdo de lixo produzido pela atividade humana, com muito, pouco ou nenhum sucesso. Toda essa variação na eficiência de tais programas tem obrigado a uma consideração mais cuidadosa.

Além de questões culturais complexas, todas as mídias e nossos anseios mais íntimos insistem em que essa ou aquela aparência, esse ou aquele produto, vão solucionar as questões de aceitação, auto-estima, realização pessoal e prazer entre outras. Bastante dinheiro é investido tanto na geração da "necessidade", como na produção dos objetos "necessários", e no seu consumo. Produz-se aparentemente mais do que é consumido, a julgar pela quantidade de promoções, liquidações e práticas do gênero. Artifícios dos mais diversos conduzem toda sorte de consumidor a adquirir muitos objetos pelas mais variadas causas, dos mais diversos tipos, preços e tamanhos. Assim, também é consumido mais do que o que se pode utilizar de fato, a julgar pela quantidade de desperdício. É dolorosa aqui a visão das conseqüências da diferença de poder aquisitivo.

Um exemplo dessa situação é a moda atual que pede enfeites natalinos cada vez mais complexos nas casas e nas ruas, enfeites cheios de detalhes, de pequenas bugigangas elétricas ou eletrônicas descartáveis; sem contar os obrigatórios presentes com uma enormidade de embalagens igualmente sofisticadas, embora o bom gosto ou a mais vaga noção de estética pareçam irrelevantes diante da moda. Os papéis de presente hoje não bastam, são substituídos por caixas, envelopes metalizados e sacolas, ganham arranjos de florzinhas e fitas, adesivos com dizeres referentes à data. O conteúdo do "presente", por vezes um elemento a mais no conjunto, é geralmente quase tão descartável quanto esse complexo de embalagens. O significado, por sua vez, muitas vezes nem é sabido, sobretudo pelas crianças. E não tem a menor importância.

O consumo de informações também tem sido, como os outros tipos de consumo, uma prática compulsiva. Sua articulação e sua utilização para modular pontos de vista e tomadas de decisão são dificilmente percebidas na atuação dos "superinformados". A partir de uma certa quantidade de dados, bem como da velocidade do acesso a eles, seu processamento aparentemente acaba prejudicado, gerando angústia e sensação de inadequação.
A despeito de não ser a solução final para o problema do lixo produzido, a reciclagem de resíduos das atividades dessa sociedade é um caminho obrigatório. Para ser eficaz ela precisaria, no entanto, ocorrer de forma tão veloz quanto a produção do material em questão. Há portanto muito esforço a ser empenhado nesse sentido.
A reflexão, porém, sobre a estrutura e o funcionamento da sociedade que já se percebe em alguns momentos, de fato, planetária, evolui para a revisão das práticas educacionais, de construção civil, produção, consumo, descarte, tratamento de resíduos, que devem ser consideradas em consonância. As considerações parciais levam a soluções temporárias, como a reciclagem, por exemplo. Mas enquanto não se chega ao ponto, são imprescindíveis o consumo racional, o questionamento sobre fontes de felicidade mais adequadas ao ambiente e à sociedade humana e exercícios conscientes de planejamento urbano.

Maria Alice Oieno de Oliveira é educadora ambiental e técnica do Sesc

Fonte: Revista Senac.sp www.sp.senac.br